Crítica: Personagem Lucy do anime/mangá “Elfen Lied”

29 de julho de 2014 às 20:17 | Por

O Mais QI Nerds tomou coragem e decidiu falar de uma das personagens femininas mais yandares, estamos falando da Lucy do anime/mangá Elfen Lied, essa matéria segue o mesmo esquema das matérias da Sakura Haruno, Momo Hinamori, Misa Amane e Lisanna.

Essa crítica conterá alguns spoilers:

Protagonista Lucy (Imagem: divulgação)
Protagonista Lucy (Imagem: divulgação)

Para você que ainda não viu Elfen Lied o mangá foi criado por Lynn Okamoto, adaptado para anime em 2004. A história fala de um mundo onde existem humanos e diclonius, uma espécie de mutantes com poderes sobre humanos, vemos a jovem Lucy que desde pequena foi rejeitada pela humanidade por ser uma diclonius. Lucy desde pequena só viu o lado ruim da humanidade, um dos atos que mais chocam o leitor é ter que ver a cena onde Lucy testemunha uns meninos matarem o cachorro dela.

Lucy é uma yandare, apesar de alguns não concordarem com essa afirmação, e demonstra não ter simpatia pelos humanos. Esse anime, embora seja exagerado, ressalta bem o que acontece quando você faz bullyng com alguém (lembrem, nunca façam bullyng, principalmente se você estiver no Japão).

Personagem Kouta (Imagem: divulgação)
Personagem Kouta (Imagem: divulgação)

No entanto a menina de cabelos rosa tem um amigo sincero, o menino Koutha. Em uma cena ela fica com ciúmes e mata os pais do amigo, isso apenas ressalta que Lucy assim como outros yandares, não sabem sentir uma forma de amor normal. Claro que alguns podem discutir sobre como seria a forma certa de amar alguém. E no caso, acabaríamos filosofando sobre isso por um bom tempo. Mas é apenas a autora falando, matar os pais da pessoa que você gosta num ataque de ciúmes não é um bom sinal.

Capa do primeiro mangá (Imagem: divulgação)
Capa do primeiro mangá (Imagem: divulgação)

Lucy, depois de matar os pais do Kouta, acaba presa num laboratório de pesquisa e fica pensando em se encontrar com ele. Tanto o mangá quanto o anime tem referências pesadas ao nazismo e ao apartheid (para quem não sabe era uma “separação” foi um regime de segregação racial adotado de 1948 a 1994 pelos sucessivos governos do Partido Nacional na África do Sul, no qual os direitos da grande maioria dos habitantes foram cerceados pelo governo formado pela minoria branca).

Outro detalhe, Lucy é um personagem com duas personalidades, a principal é uma assassina que odeia os humanos enquanto Nyu, sua outra personalidade é uma menina doce e gentil, esse lado existe por causa do carinho que ela sente pelo Kouta.

Cenas do mangá (Imagem: divulgação)
Cenas do mangá (Imagem: divulgação)

O anime e o mangá tem gore e violência e um detalhe interessante, as mutantes da história são mulheres, no caso, menininhas, sendo que apenas uma mutante acaba virando do bem. Alguns podem dizer que esse mangá tem um triangulo amoroso, mas, não é verdade, como falei antes Lucy não sabe amar de uma forma normal, não teria um relacionamento saudável. Você namoraria alguém que literalmente odeia a raça humana e matou um monte de gente, mas gosta de você?

Os poderes da Lucy são quatro braços invisíveis que podem atravessar qualquer coisa, ou seja, ela pode matar uma pessoa mesmo estando sentada. Mas ela é um personagem interessante e que remete aquela frase “o mal não nasce, ele é criado”.
Isso tudo que a autora que vos fala está no anime/mangá, caso vocês concordem ou não, podem comentar a vontade. E mais uma vez, NADA de bullyng.

Gosto de escrever sobre coisas e mais do que isso, amo criticar as coisas!