Resenha: Graphic Novel “Uma Morte Horrível”, de Pénélope Bagieu

9 de Fevereiro de 2018 às 20:40 | Por

Começando de forma despretensiosa, Uma Morte Horrível, graphic novel da quadrinista francesa Pénélope Bagieu apresenta uma história divertida e cativante, cujas reviravoltas e descobertas, mescladas a um humor leve, irão surpreender.

 

Zoé, a protagonista, vive uma vida medíocre, com um namorado desempregado grosseiro e um emprego que detesta. Tudo muda ao encontrar Thomas Rocher, um escritor excêntrico que vive enclausurado em seu apartamento.

 

Sabe aquela história de “os opostos se atraem”? Bem, a frase é perfeitamente cabível quando se trata de Zoé e Thomas. Ele, calado e intelectual. Ela, extrovertida, falante e sem qualquer conhecimento ou gosto por literatura. Mas de alguma forma, Zoé acaba se tornando a musa inspiradora do escritor, que está passando por uma crise gerada por um bloqueio criativo.

 

Eles começam a se envolver. Contudo, por trás do comportamento anti-social do rapaz há um grande segredo, que pode se tornar o escândalo literário do século. E é este o mote para uma reviravolta no meio da HQ, que acaba se mostrando não mais uma história de amor de um casal improvável. Mas um suspense instigante e imprevisível.

 

Não se engane! Nada é o que parece, e uma terceira pessoa na história faz com que os personagens vão revelando suas características de forma natural e vemos como elas guiam os acontecimentos, assim como a descoberta das motivações deles e sua relação com o amor.

 

Pénélope usa traços graciosos em tons leves que contrastam com a atmosfera de suspense do enredo. O que auxilia no serviço de surpreender o leitor.

 

Quando der por si, estará preso a um roteiro fascinante, diálogos divertidos, uma arte expressiva – com personagens que não precisam de diálogos para falar-, até chegar a um inesperado final. Se surpreenda com Uma Morte Horrível!

 

————————————————————————————————————————————————————————————

Pénélope Bagieu nasceu em Paris, em 1982. Estudou cinema de animação na Ensad e fez uma passagem pela Central Saint Martins de Londres. De volta a Paris, cria em 2007 o Ma vie est tout à fait fascinante – Minha vida é realmente fascinante, um blog ilustrado no qual expõe sua vida cotidiana com um humor e uma graça que acertam no alvo. Com a publicação do blog em forma de livro, seu sucesso se expande para as livrarias, e Pénélope passa a fazer diversas ilustrações editoriais, trabalha para grandes campanhas publicitárias, desenha as aventuras de Joséphine e assina até uma coleção de lingerie.

Jornalista. Sonho em me tornar uma mistura de Lizzie Bennet e Tracy Whitney, tirando a parte fora da lei. Ler e escrever são o que mais gosto de fazer. Fico nervosa sem um livro na bolsa ou quando não acho caneta e papel quando a inspiração vem. Tenho sonhos a lá filme de Spielberg, ilusões amorosas por Mr. Darcy e obsessão por Harry Potter.