Resenha: HQ A Tribo, de Junior Cortizo

3 de Janeiro de 2018 às 20:24 | Por

Com um humor negro e sangrento, A Tribo, em sua primeira edição, deixa bem clara a proposta da HQ, a porradaria vai rolar solta!

 

O quadrinho apresenta humanos com super poderes e muita vontade de brigar. Nesta edição, quatro histórias são mostradas e a pequena sinopse que as apresenta ao início da HQ explicita bem está mistura de jocosidade e socos que encontraremos nas próximas páginas:

 

À prova de balas, alguns bandidos descobrem da pior maneira que o crime não compensa e que peido pesa. 

Chuva de sangue, um sensível conto de fadas com sangue, chuva e sem fadas.

 A recompensa, mostra o triste fim de um típico político brasileiro que amamos tanto.

A casa de massagens da vovó Dragão, depois de uma noite arrebentando fuças de criaturas místicas armadas até os dentes, Tiborg encara algo que poderá exterminá-lo da face da terra: uma doce vovozinha  chinesa.

 

As narrativas contam com sequestros e políticos corruptos, algo próximo a realidade, mas também com seres misticos e cenas extraordinárias, deixando claro que tudo pode acontecer ao redor desses super-heróis brasileiros.

 

Os protagonistas em questão – Tiborg, Ultra, Cura, Portal, Lynx, Volt e Puma – contam apenas com uma breve apresentação de suas características, sem entrar em detalhes. Os maiores indicativos que temos de suas habilidades são certamente as cenas de ação, e a HQ está recheada. Já as suas características físicas se destacam a força representada por corpos musculosos aos quais a maioria dos personagens exibe.

 

As quatro histórias, com roteiro e arte de Júnior Cortizo, brincam com as cores para passar o tom da narrativa. Em cada uma, uma paleta de cores se sobressai. Exemplo maior disso é a história “Chuva de Sangue”, que usa principalmente do vermelho e cinza para dar vida a uma sequência à la Tarantino.

 

 

 

 

Despretensiosa e divertida, ideal para quem curte HQs de ação, com muito, muito (já dissemos muito?) sangue, e que não se leva muito a sério, o que não é algo ruim.

 

 

 


Junior Cortizo assina ainda A Tribo 2 e A Tribo: Perseu e Aline – Carrapato, em parceria com Tony Brandão.

 

 

 

Jornalista. Sonho em me tornar uma mistura de Lizzie Bennet e Tracy Whitney, tirando a parte fora da lei. Ler e escrever são o que mais gosto de fazer. Fico nervosa sem um livro na bolsa ou quando não acho caneta e papel quando a inspiração vem. Tenho sonhos a lá filme de Spielberg, ilusões amorosas por Mr. Darcy e obsessão por Harry Potter.