12 agosto, 2017 às 17:49 | Por

Resenha: “Crônicas de Markus” (Livro Um), de Marcio Zanini

Tudo que o humilde camponês Markus queria, depois de anos turbulentos, era continuar sua vida da melhor maneira possível.
Suas esperanças foram renovadas com a chegada de Liliana à pequena vila.
O que parecia o início de uma nova oportunidade acabou se transformando em um pesadelo terrível com a maldição que a família da jovem carregava.
Sozinho no mundo, inocente quanto sua condição, incapaz de conduzir suas novas vontades, Markus acaba se agarrando aos mais próximos tentando evitar às mudanças que a vida lhe impôs. Seu medo e falta de conhecimento acabam guiando seu destino para longe dos seus objetivos.
Em outra parte, Thomas, um inocente garoto, começa a ser treinado pelo experiente guerreiro Hill. Seu treinamento é brutal e violento com a única intenção de prepará-lo para se tornar, em breve, um caçador de vampiros, a serviço de um clã que deseja eliminar do mundo todos os chupadores de sangue.
O encontro entre dois mundos distintos irá abalar os vampiros e o clã e desestruturar a vida que conhecem.
Crônicas de Markus traz de volta os vampiros clássicos. O realismo da condição vampírica, a crueldade e o vazio que uma vida cercada de morte carrega consigo.

 

 

Marcio Zanini constrói em Crônicas de Markus (Livro Um) uma história de vampiro empolgante, excitante e sanguinária.  A escrita do autor, dinâmica e detalhada, conduz o leitor a uma história promissora que se inicia neste primeiro livro da duologia, publicado pela Editora Xeque-Matte.

 

O livro, em terceira pessoa, se reveza entre a linha narrativa de basicamente dois personagens. Mais personagens são acompanhados, sendo que acabam sempre sendo secundários a história de Markus e Thomas. Podemos fazer comparações sobre a vida de ambos. Os dois tem sua vida marcada por acontecimentos que fugiram de seu querer. Eles são levados, por fatalidade, destino, a se tornarem o que são.

 

Markus tem de lidar com uma confusão dentro dele mesmo, o humano vs o vampiro, o racional vs o bestial, e esse é um dos pontos altos na construção do personagem. Zanini vai definindo características precisas, questões morais e éticas ficam bem claras,  e depois acaba por confrontá-las já que novos sentimentos e instintos são despertados após Markus ser transformado em vampiro. Como ser ético quando o desejo por sangue humano é incontrolável? Como lidar com os impulsos violentos, sanguinários e sexuais que sua nova condição impõe?

 

Contudo, o autor deixa claro que a “fera” dentro de todos não difere raça. Humanos podem em algum momento deixar esse lado irracional, selvagem aflorar também. Por uma situação que o motiva a isso, para sobreviver, ou apenas se divertir.

Já Thomas tem seu destino definido de berço. Desde quando se lembra ele é treinado para se tornar um caçador de vampiros. O treinamento, brutal e violento, vai definindo as habilidade do menino e o mais importante, desperta nele uma ira contra os vampiros essencial ao clã. A expectativa de um encontro entre Markus e Thomas, que fica implícito nas entrelinhas que em algum momento irá acontecer, desperta a curiosidade do leitor.

 

 

Toda a trama é bem construída. Até mesmo a utilização de crônicas no título não é em vão. Se avaliarmos as passagens presentes na linha narrativa de Markus, principalmente, vemos que ela é realizada em arcos, que se abrem e fecham motivando e afetando o que virá a seguir.

 

A história tem diversas reviravoltas. Quando o leitor achar que está prevendo o que acontecerá, se enganará terrivelmente. E isso ocorrerá mais de uma vez. É imprevisível a jornada de Markus. A cada desdobramento até mesmo o “tom” da narrativa muda. Acompanhamos cenas de puro romantismo, logo em seguida nos deparamos com sequências de pura tensão,  e de repente somos chocados com momentos de uma espécie de terror erótico característicos aos chamados vampiros clássicos, aqueles cuja bestialidade se mescla à luxúria e cujo o lado mais instintivo domina. Este é certamente o livro para leitores que procuram por eles.

 

 

A edição da Editora Xeque-Matte está incrível. A qualidade do material e principalmente a edição do livro em nada deixam a desejar. O livro possui ilustrações para marcação de início de capitulo e mudança de passagem que se mostram pensadas para a época e estilo da obra.

Jornalista. Sonho em me tornar uma mistura de Lizzie Bennet e Tracy Whitney, tirando a parte fora da lei. Ler e escrever são o que mais gosto de fazer. Fico nervosa sem um livro na bolsa ou quando não acho caneta e papel quando a inspiração vem. Tenho sonhos a lá filme de Spielberg, ilusões amorosas por Mr. Darcy e obsessão por Harry Potter.