2 junho, 2017 às 20:44 | Por

Crítica: HQ “Greg, O Contador de Histórias” #1 (Mandrágora)

A batalha se aproxima. O perigo é eminente. Juntos, se preparam para um caminho que pode não ter volta. De um lado, a vontade de viver, do outro, o medo da morte. De um lado, a vontade de curtir o que a vida ainda tem a oferecer, de outro, se preparar para dar o melhor em combate. É uma profusão de sentimentos. Apenas uma regra: NÃO DURMA!

 

Esse é o cenário de “Greg – O Contador de Histórias” #1, de Marcio Gotland. A primeira parte da história “Mandrágora” consegue mostrar a ambiguidade da véspera de uma batalha que promete ser descomunal,  enquanto nos apresenta os motivos para ela acontecer, o que levou aqueles guerreiros ao momento que se encontram.

 

 

Greg é o narrador, o detentor dessa arma poderosa, contar histórias. E está é a primeira, sobre quatro cavaleiros em um reino dominado por uma maldição que cai sobre os que dormem. Este (reino) é conduzido por um jovem rei manipulado por um entidade demoníaca, cujo pretensões não estão muito claras.

 

O desenho possui poucas cores, quase sempre em uma paleta fria , brincando apenas com as sombras e dimensões. O enredo é conduzido com tensão e ao final somos incitados à curiosidade do que está por vir.

 

 

 

Jornalista. Sonho em me tornar uma mistura de Lizzie Bennet e Tracy Whitney, tirando a parte fora da lei. Ler e escrever são o que mais gosto de fazer. Fico nervosa sem um livro na bolsa ou quando não acho caneta e papel quando a inspiração vem. Tenho sonhos a lá filme de Spielberg, ilusões amorosas por Mr. Darcy e obsessão por Harry Potter.