Resenha: “Coelho Nero – Simpático Só Que Não”, de Omar Vinole

21 de dezembro de 2017 às 14:22 | Por

Imagine aqueles personagens, animais fofinhos e coloridos que pregam a gentileza e o amor, sempre com mensagens otimistas. Agora pense no extremo oposto e encontrará a concepção exata de Coelho Nero. Neurótico, do contra, resmungão e crítico. O coelho mal-humorado sempre está por dentro dos últimos acontecimentos. Seja sobre política, coisas do cotidiano, ou o que mais passar pela cabeça de seu criador, Omar Vinole, ele tem sempre um comentário sarcástico e pertinente a fazer.

 

É esse humor ácido do personagem o ponto de maior deleite das tirinhas e não é preciso muito para perceber isso. Com 16 páginas, reunindo 48 tiras, a coletânea Coelho Nero – Simpático Só Que Não é uma prova categórica disso. Abordando diversos assuntos, muitas das tiras possuem uma lógica sequencial, podendo ainda ser apreciadas separadamente. E em absolutamente todas é cravada a personalidade e opinião forte, marca do personagem.

 

A edição abre com um prefácio do jornalista Paulo ramos que conta alguns detalhes da criação de Coelho Nero, ou como o autor do texto acentua, sua origem, que se deu em 2009. E, é muito interessante perceber que personagens marcantes podem aparecer de forma tão despretensiosa.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Coelho Nero nasceu na internet e ainda pode ser acompanhado no blog – http://coelhonero.blogspot.com.br/ – ou nas redes sociais, onde a cada semana novas tiras são divulgadas. Para quem prefere o velho papel, duas outras coletâneas foram publicadas: Coisas que um coelho pode te dizer Reclame Aqui, a segunda publicada pela Marsupial (Jupati Books).

Jornalista. Sonho em me tornar uma mistura de Lizzie Bennet e Tracy Whitney, tirando a parte fora da lei. Ler e escrever são o que mais gosto de fazer. Fico nervosa sem um livro na bolsa ou quando não acho caneta e papel quando a inspiração vem. Tenho sonhos a lá filme de Spielberg, ilusões amorosas por Mr. Darcy e obsessão por Harry Potter.