Resenha: Mangá ‘One Week Friends’ #1

16 de outubro de 2017 às 14:28 | Por

O mangá ‘One Week Friends’ ou ‘Ishuukan Friends’ em japonês, de Matcha Hazuki conta a história de dois alunos e uma amizade improvável.

 

Kaori Fujimya está sempre sozinha e, com um olhar inexpressivo. Yuuki Hase encantado com a colega de classe, deseja incessantemente tornar-se seu amigo. O que todos não sabem é que Kaori guarda um segredo. Ela perde tosas as memórias dos seus amigos depois de uma semana.

 

 

Mesmo com esse problema, Yuuki e Kaori vão se aproximando cada vez mais e tornando-se cada vez mais amigos. A cada semana Yuuki irrompe a barreira da perda de memória e, não se importa com quantas vezes seja necessário, ele sempre está disposto a recomeçar. E assim surge essa linda história de amizade.

 

Por mais que haja alguns insights e pareça que Kaori um dia irá se lembrar do seu único amigo, nada nos dá a certeza de que isso um dia irá finalmente acontecer.

 

O que não é possível premeditar também é até quando Yuuki terá a mesma paciência com a amiga. Será que ele conseguirá conviver com alguém que sempre se esquece dele? Sim, porqu Kaori se lembra dos familiares e de outras pessoas do seu convívio. Ela se esquece apenas das boas lembranças de amizade, ou seja, apenas de Yuuki seu único amigo. E, é exatamente isso que a impede de fazer novos amigos. Uma curiosidade, é que isso sempre ocorre as segundas-feiras.

 

O volume 1 de ‘One Week Friends’ certamente nos dá mais questionamentos do que certezas. O que deixa o shonen mangá além de fofo, muito intrigante.

Jannayna Pereira

Jornalista, mãe de 6 peludos e de uma cascuda chamada Donatela. Sou uma mistura de Penélope Charmosa e Wandinha Addams, a típica fofa das trevas que adora o universo Disney. Choro toda vez que assisto a morte de Mufasa, amo Cavalo de Fogo e necessito de TWD. K-pop é como uma religião e minha deusa é a Hyuna. Ainda não sei se vivo no País das Maravilhas ou no Fantástico Mundo de Bob, porém, desde que os doramas e o tal de Lee Min Ho começaram a fazer parte da minha vida, a Coreia não me parece uma má ideia.