‘A Ordem’: Daniel Arcos fala sobre RBoy e seus outros trabalhos

6 de Janeiro de 2015 às 00:38 | Por

Nascido em Brasília, Daniel Arcos começou a gostar de quadrinhos incentivado pela família. Desde então sua aventura no mundo das HQ’s foi se expandindo, ainda mais após a criação da Turma do Taguatinga, que desde 2007 é publicada. RBoy surgiu nas fanzines que criava na adolescência e agora, com seu jeito engraçado e o fiel skate voador, o personagem é mais um integrante de ‘A Ordem’, projeto que busca juntar super-heróis brasileiros em uma aventura, como forma de incentivar os quadrinhos nacional. Para isso, uma campanha no site catarse foi criada para financiar o projeto.

 

LEIA MAIS: Quadrinistas se unem para lançar HQ com super-heróis brasileiros

 

 

Como começou o seu interesse por quadrinhos?

 

Desde pequeno. Meu pai e um tio sempre gostaram de quadrinhos, então tive acesso logo cedo. Foi uma das coisas que me ajudou a aprender a ler. Eu também comecei a desenhar bem cedo e quando tinhas uns 7 anos já dizia que queria ser desenhista de HQs.

 

Como foi o início da sua carreira como quadrinista?

 

Eu fiz fanzines bem caseiros em casa desde que tinha uns 10 ou 12 anos. Em 2007 eu criei a Turma do Taguatinga Shopping, uma HQ infantil pra um shopping daqui da cidade. Estamos publicando até hoje e foi com esse trabalho que descobri que também era um roteirista.

 

Como você entrou no projeto de A Ordem? 

 

Eu vi a convocação que o Elenildo (Lopes) fez pelo Facebook e fui um dos primeiros as responder que gostaria de participar. Como meu personagem se enquadrava em todos os requisitos, foi tranquilo.

 

Conte um pouco mais sobre seu personagem, RBoy.

 

Ele é um agente de uma área especial e quase secreta do governo que cuida só de casos chamados de “especiais”. Ele não tem poderes, mas é super inteligente, um atleta acima da média, mestre em artes marciais e um perito em tecnologia avançada. Em seus equipamentos de trabalho está o skate voador que é uma de suas marcas registradas.

 

O personagem já existia ou foi criado para o projeto?

 

O personagem existe desde 1994. Eu criei quando ainda era adolescente e alguns dos fanzines que criei eram com ele. Ele mudou bastante de lá pra cá, mas mantém a essência de quando foi criado que são o jeito piadista e o skate voador.

 

Conte um pouco sobre outros projetos seus.

 

Bem, nesse momento eu tenho um projeto de Graphic Novel escrito por mim, desenhado pelo Eder Messias e com cores do John Castelhano (ainda não posso revelar o nome). Tenho também uma outra Graphic Novel que é um crossover entre o RBoy e os personagens da Michelle Ramos do zine Brasil e o desenhista Juliano Rocha, que são a Ninja e o Resistente, respectivamente. Nesse projeto eu tive a ideia pra história e estou co-escrevendo com a Michelle e fazendo as cores para os desenhos do Juliano. Continuo produzindo a Turma do Taguatinga. E estou escrevendo um livro online, via Facebook e Wattpad chamado “O Coração do Rei“. Tenho outros projetos na fila. E há um mês comecei o videocast da Hotmind Commics, que é meu selo de quadrinhos, chamado ESQUENTAMENTE, onde falamos sobre conteúdos de internet.

 

 

 

Jornalista. Sonho em me tornar uma mistura de Lizzie Bennet e Tracy Whitney, tirando a parte fora da lei. Ler e escrever são o que mais gosto de fazer. Fico nervosa sem um livro na bolsa ou quando não acho caneta e papel quando a inspiração vem. Tenho sonhos a lá filme de Spielberg, ilusões amorosas por Mr. Darcy e obsessão por Harry Potter.